Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Lápis

por arresiur, em 11.09.15

do teu corpo
saem palavras
pensamentos profanos

da simplicidade do teu traço
saem rabiscos
desenhos fotográficos

com a tua alma de grafite
esmagas vidas
no cadafalso da praça

crias personagens
cenários teatrais

vives
sobrevives
entre a criação
e a morte

e em cada risco ensaiado
definhas em pó amargurado

publicado às 11:18


Escrever

por arresiur, em 11.09.15

escrevo
letras
palavras
frases

com o sangue que me alimenta

tentativas frustradas de versar
dançam nesta singela folha
onde a criatividade está ausente,
na poesia sou apenas um trolha

decidi escrever, escrever, escrever
sobre o quê, nunca me apercebi
até ao dia, ao momento
em que decidi escrever para ti

e escrevi
letras
palavras
frases

sobre o amor que existe em mim

publicado às 11:17


Aromas

por arresiur, em 11.09.15

incenso
(arde lentamente)

golpe traçado
o sangue escorre

marcas
das cordas do violino
na tua pele

aromas

o fumo ofusca
cega

respiração deliciosa

canela . sândalo . jasmim

sufoco
numa mescla de aromas

fumo

um mero aroma
uma memória
um sonho vivido

publicado às 11:16


A insónia é um dom

por arresiur, em 11.09.15

escorre
a tinta

papel

linha após linha

bocados de mim
fluem no teu olhar

respiro

o coração bate

sinto o teu odor

quando não tenho sono
venho para aqui rascunhar

publicado às 11:14


Mata-te, com o que amas

por arresiur, em 11.09.15

chiadeira

pop

o copo esvazia-se
l e n t a m e n t e

a língua entorpece

as lágrimas suicidam-se
na biqueira da bota

vómito

bebe mais um copo
e continua a beber
e continua a beber
e continua a beber

porque é bom!
porque gostas!

é bom sentir o cheiro
da erva húmida pela manhã

contemplo um inferno pessoal

publicado às 10:58


A arte

por arresiur, em 10.09.15

o que sou

sou poeta!
escrevedor de palavras
que rimam
e desafinam

captor de emoções
intemporais
e outras mais

conhecedor da alma sofredora

escrevedor de sons
dos maus e dos bons

sou escritor!
de pena
da dor

sou artista!
pintor de sentimentos
abstractos
nem sempre exactos

sou poeta!
sou escritor!
sou artista!

uma espécie de alquimista

faço obras magistrais
crio beleza intemporal
e o que sou?
sou uma pessoa normal

publicado às 10:53


À noite na taberna

por arresiur, em 10.09.15

oh! taças, na memória, vividas.
oh! taças de vinho tão cheias.
oh! castas lembranças erguidas
em tabernas de gente tão cheias...

oh! castas antigas... de porte.
oh! castas lembranças vividas.
oh! taças cheias de morte
tão tristes me foram em vida.

oh! turbulentas lembranças
que me trazem essas taças
em tristes desesperanças.

mas oh! taças erguidas em vão
erguidas à vida tão cheias
tão cheias de solidão.

publicado às 10:27


Medo, verbo e morte

por arresiur, em 09.09.15

amanhece

o sol brilha

o corvo ri

tudo parece perfeito

sob o céu um jogo emerge

ódio . medo . violência

o corvo esvoaça

a morte brilha nos olhos das crianças

um fogo invisível dilacera o todo

o verbo emerge

a terra morre

publicado às 10:50


Cigana

por arresiur, em 09.09.15

onde reina a paz
neste reino de especulações?

onde reina a sinceridade
neste mundo de maldade?

e nesta minha nova convicção
recorro à malícia da razão

e procuro na plenitude do orgasmo
se o antídoto será o sarcasmo

procuro agora seduzir o nirvana
recorrendo às virtudes duma cigana.

publicado às 10:50


Procuro na noite

por arresiur, em 09.09.15

procuro na noite
uma silhueta
que se esconde

procuro na noite
o sentido
que me ofusca a mente

procuro na noite
a essência
do meu ser imaginário

escondo da noite
este meu lado sombrio
esta sina traçada
por uma cigana amaldiçoada

publicado às 10:50


Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

subscrever feeds